Gita: Entrevista com PhDes - O contador de histórias Iatan Gomes

Mais uma novidade aqui, no querido PhD. Depois de alguns anos e muitas postagens interessantes, uma ideia surgiu, a partir de exaustivas reuniões (mais animadas que as do Pânico - garanto!). Resolvemos fazer entrevistas entre nós Phdes... Porque? Ora bolas, não é óbvio que vocês, queridas leitoras, queiram conhecer mais de pertinho as pessoas que estão aqui deste lado, tentando ler, entender e compartilhar as suas vontades? Então chegamos a telepática conclusão que seria uma ótima ideia fazer entrevistas da qual um se mete na vida do outro, só para que você possa justificar, com uma boa leitura o seu tempo ocioso...

E para começar, entrevistei o querido contador de histórias - Iatan Gomes. Ele é o único homem na vida da mulherada PhD e não pasmem se todas afirmarem (sem hesitar) que o lado mais sensível do texto está em seus contos. Iatan é de Fortaleza, super jovem, rapaz ávido, antenado no barulho do mundo, como se cada inspiração para escrever fosse sussurada por um fato que a vida captou e lhe falou em segredo... Ao mesmo tempo, temos a impressão de que ele reescreve momentos que já vivemos, uma ocasião qualquer de um romance, dor, amor, sofrimento. A verdade é que não há nada para explicar de diferente, o que Iatan faz é perceber e nos contar - do seu jeito melancólico, sereno, perturbador e inquieto de pensar.



Leia a entrevista, e se apaixone pela simplicidade de um menino, a genialidade de um jovem e a sensibilidade de um homem...



Gosto de uma frase de Renata Fagundes que diz: “ Sou feita de gavetas... lembranças amassadas, vestígios de infância, peças ousadas, dobradas, perfumadas, bagunçadas, profundas, escuras, trancadas” – O que a infância lhe permitiu ser hoje?

Não sei dizer ao certo se minha infância influenciou exatamente no que sou hoje, mas creio que de certa forma sim, por que o passado sempre influencia no nosso presente. Tive uma infância bem calma, nunca fui de ficar muito na rua e sempre tive poucos amigos. Sempre fui calmo e de poucas palavras pronunciadas. Acho que carrego essa certa melancolia desde pequeno, o que não quer dizer que tive uma infância triste, mas que penso muito sobre muita coisa desde então.




Você é um jovem, mas diferentemente da maioria, não se confunde com seus gostos, sabe expor sentimentos e opinião. Vimos isso ao ler principalmente seus contos. Qual foi o primeiro deles e que referências, como externa ou interna, usa pra escrevê-los?
O primeiro texto que me atrevi a chamar de conto foi “A dor da verdade” que escrevi em 2008. Não há uma razão específica para ele ter sido escrito, nem pessoas nem nada. Tenho uma curiosidade própria com o fato de eu escrever tantas coisas que sequer vivi. Praticamente por parte de suposições. Como eu acho que alguma pessoa reagiria a certas situações, o que ela faria, como e porque faria. Provavelmente devido ao excesso de comédias românticas que venho assistindo desde o início da minha adolescência, senão desde criança.



O seu blog – Meu doce meu amargo – Surgiu a partir de que necessidade?
Meu blog surgiu ao fim de 2008, acredito que tenha sido pelo fato de quão turbulento essa ano tenha sido pra mim por várias razões. Divulgo meu blog vez ou outra quando posso, mas nunca trabalhei pra valer em uma divulgação para ele, acredito que pelo fato de ser um canto bem íntimo meu, no qual eu falo coisa séria quando quero ou qualquer besteira. Também por duvidar um pouco do conteúdo que nele se encontra. Meu blog já teve dois ou três títulos diferentes, até eu decidir que meu doce meu amargo veio a calhar como a melhor das opções. De tantas coisas que me aconteceram no ano de 2008, o fato de eu finalmente ter descoberto como colocar tanta coisa que eu prendia na minha cabeça para fora foi uma das melhores. Afinal, como já disse, sempre fui de poucas palavras pronunciadas. Mas o fato de ficarmos calados não significa exatamente que não temos algo a falar.



E pode-se dizer que eu sou o equilíbrio que há entre ambos. Sou a ironia da mistura dos dois. Extremamente sensível, porém com os pés no chão, sem me permitir fugir da realidade onde me encontro”. Estre trecho é parte de uma recente postagem sobre os seus 02 alteregos. Quem lê, tem um encontro íntimo com a suas repartições nem sempre públicas de pensar, mas o que mais acha importante dizer sobre a positividade e a negatividade das outras pessoas?
Esse texto que eu escrevi foi mais uma das coisas bastante intimistas que eu coloco no blog. Foi meio que finalmente decidir como eu sou, entende? Acredito que as pessoas são sempre inconstantes, e abertas ou não a mudanças, elas sempre acabam mudando.  Descrevi o que acho de mim, e como realmente sou: algumas vezes extremamente atencioso e dedicado a tudo, outras vezes fechado para tudo e para todos. Uma vez uma amiga me contou algo sobre uma lenda que dizia algo sobre dentro nós haver dois tigres, um bom e um mau, e que só sobreviveria aquele que alimentamos. Acho que funciona bem assim, a negatividade e a positividade são exatamente opostas, e querendo ou não a gente vai deixar transparecer sempre aquela que está mais forte dentro de nós. Embora eu defenda a opinião de que a positividade carrega certa ilusão, e o negativismo a realidade.









Na internet, a maioria te conhece por ser um rapaz talentoso e especialmente sensível. Sobre ser um rapaz de sensibilidade aguçada, já ouviu julgamentos de duplo sentido do que poderia ser apenas um elogio?
Em todo esse tempo que estou na internet nunca ouvi algo que realmente me ofendesse. Fico feliz pelo fato de até hoje ter ouvido muitos comentários positivos pelo que escrevo.


O PhD sempre incentivou a participação de colaboradores... Conte como conheceu o blog, como veio entrar na casa e qual a sua relação com os leitores?
Conheci a Sara em 2009, pela internet mesmo, vi um blog sobre minha banda favorita, Westlife, e na cara de pau me ofereci para ajudá-la nas atualizações do blog. Estou lá desde então. No final do ano passado a vi comentando algo sobre contos no twitter e com a mesma cara de pau ofereci os meus. Mandei dois, “Apego” e “O peso dos sonhos”, que saíram respectivamente nos meses de outubro e novembro. Aí como achei que ela e a Sheila foram gostando continuei a oferecer mais dos meus contos, e então acabei recebendo o convite para apresentar meus contos no PhD. A princípio num intervalo de três semanas, hoje estou apresentando um texto novo no site a cada duas semanas, ainda nas quintas.


Um dos lemas do PhD é respeitar o livre arbítrio de seus escritores, então vamos fazer jus a isso, pedindo para que você mande seu recado doa a quem doer!
Quem me vê escrevendo me acha um poço de autoestima e confiança. Não sou bem assim, sou como qualquer pessoa que vocês conhecem, e sou igual a cada um(a) de vocês. A princípio quando comecei a escrever eu tinha pavor que alguém visse o que eu estava fazendo, e esse receio se dava ao fato de temer o que pensariam de mim ao lerem o que escrevo. E de boa, ainda hoje tenho um pouco desse medo. Acho que a lição que quero passar não vai doer em ninguém, só queria aconselhar a todos a não omitirem o que sabem fazer por receio do que os outros vão pensar. Primeiro porque sempre vamos ter receio, e segundo porque sempre vai ter alguém pra dizer que o que fazemos está certo.







Para finalizar, não posso esquecer de honrar a dedicação do Iatan em se expressar de forma tão avassaladora e poética. Espero que como eu, vocês tenham conhecido um pouco mais sobre o talento do nosso amigo... Curtíssima a nossa entrevista não? Mas calma aí, Iatan está aqui nos bastidores, sempre disposto a ouvir vocês meninas! De coração, adorei bater um papo com você Iatan, minha admiração só existe porque é de todo seu merecimento, curti muito e vocês? Faça como eu, compartilhe e pergunte o que desejar a ele. Beijos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram