Meus 5 filmes preferidos de Christopher Nolan

 


Este post tem um tempero bastante pessoal porque um dos diretores que mais amo nessa vida é o Christopher Nolan. No meu ponto de vista, acredito que ele é responsável pelos filmes mais complexos e inspiradores que já assisti, e tratando-se de alguém que se formou em literatura, considero-o um verdadeiro gênio da sétima arte.

O que mais me impressiona nos filmes de Nolan além da fotografia característica de seus trabalhos (há sempre uma pitada mais escura, com aquela densidade primordial para garantir exatamente o que ele quer que sintamos enquanto assistimos suas obras) são os roteiros completamente fora da curva. Alguns longas podem até terminar de um jeito esperado, mas o decorrer da história sempre te impressionará de alguma maneira, ou pela narrativa, ou por aquela sensação de que você não está entendendo nada, mas ao mesmo tempo sabe que em algum momento você entenderá tudo.

Outro ponto característico em seus trabalhos são os atores: parece que quando um cai na graça de Nolan, ele terá trabalho garantido em diversos filmes seus. Michael Caine, por exemplo, marca presença em quase todos os seus filmes (somente os 3 primeiros longas de Nolan não contam com a presença de Caine). Cillian Murphy e Christian Bale também já bateram bastante cartão com ele.

Nolan começou cedo como operador de câmera e editor, e uma coisa foi levando a outra, até que em 1998, estreiou como diretor em seu primeiro filme: Following. Em seguida, vieram filmes respeitados como Amnésia e Insônia, até chegar na tão aclamada trilogia Batman, iniciada em 2005, que apesar de ser um dos trabalhos mais comentados de Nolan, ainda não exprime toda a identidade criada em seus trabalhos.

Tomei a liberdade de listar meus 5 filmes preferidos de Christopher Nolan, e trago curiosidades bem legais sobre cada um deles (o que justifica também as minhas escolhas, provavelmente):


5. O Grande Truque - 2006


Baseado em um livro de Christopher Priest, O Grande Truque não é um filme muito conhecido de Nolan, mas me senti tão envolvida por este filme que ele merecia estar em minha lista. O diretor Sam Mendes se interessou primeiramente em dirigir o longa, mas o autor do livro fez questão de escolher Nolan para adaptá-lo para as grandes salas. Na trama você encontrará algumas pessoas reais, como Nikola Tesla (interpretado por David Bowie) e Chung Ling Soo, um ilusionista branco que se disfarçava de chinês que morreu em seu palco quando o truque da bala capturada (também mostrada no filme) deu errado.

Uma coisa que Nolan ama fazer em seus filmes é criar personagens que são conectados de alguma maneira (e citarei isso em outros filmes da lista). Em O Grande Truque, as iniciais dos personagens principais formam a palavra ABRA (Alfred Borden e Robert Angier), uma referência ao termo "Abracadabra".


4. Dunkirk - 2017


Este foi o décimo filme de Nolan, todo filmado com tecnologia IMAX, marcando seu primeiro trabalho baseado em fatos reais. Gravado na mesma praia em que a evacuação aconteceu durante a II Guerra Mundial, o governo municipal de Dunkirk até criou um departamento de cinema para garantir que tudo corresse  bem durante a execução do longa. 

E por se tratar de uma história real, o perfeccionista Nolan garantiu ao máximo que a realidade fosse mantida tanto na narrativa como na produção: muitos personagens reais foram retratados, com a ajuda dos veteranos da Operação Dínamo, que compartilharam suas memórias e percepções dos eventos de 26 de maio a 4 de junho de 1940, assim como aeronaves e navios utilizados durante a evacuação também foram utilizados nas gravações.

Muitas pessoas se incomodaram com Dunkirk por conta da construção temporal de sua narrativa (enquanto uns odeiam isso, é o que mais adoro nos filmes de Nolan). Aqui, o longa foi mostrado por três pontos de vistas diferentes: a infantaria na praia por uma semana, os civis sendo evacuados pela Marinha nos barcos por um dia e os pilotos sobrevoando o local por uma hora. Durante uma entrevista, Nolan até explicou o motivo pelo qual dividiu o filme desta maneira: "Para os soldados que estavam no conflito, os eventos acontecem em diferentes temporalidades. Na praia, alguns passaram uma semana presos. No mar, os eventos duraram no máximo um dia, e se você estava voando para Dunkirk, os Spitfires ingleses só tinham combustível para uma hora de voo. Para misturar estas diferentes versões da história, você tem que misturar os estratos temporais. Por isso a estrutura é complicada, mesmo tendo uma história bem simples".  Esta divisão de tempo foi até apresentada de maneira bem sutil na fonte de Dunkirk no cartaz de lançamento: azul claro representando o céu, azul escuro representando o mar, e o branco se referindo a areia da praia.

Hans Zimmer, como em outros 7 filmes do Nolan, foi responsável pela maravilhosa trilha sonora, enquanto Caine, outro querido de Nolan (como já vimos anteriormente aqui no post), colaborou com sua voz no rádio comunicador da história: 

Minha dica pessoal: maratone Dunkirk e O Destino de Uma Nação (dirigido por Joe Wright) de uma só vez. Assim você terá uma história completinha para degustar.


3. Tenet - 2020


Preciso começar este tópico sobre Tenet com um simples aviso: ele só não desbancou o segundo lugar da minha lista pela ausência de Hans Zimmer na trilha sonora. Mas tudo bem... ele estava ocupado com a produção de Duna, e foi muito bem substituido por Ludwig Göransson, responsável pela trilha sonora do Pantera Negra.

Assisti Tenet recentemente, precisamente uma semana antes da criação deste post, e meu Deus... que obra prima! Você encontrará muitos palíndromos nesta trama, e não posso dizer mais nada a respeito para não estragar a surpresa - mas é isso: atente-se aos palíndromos (presente inclusive no nome do filme). 

John David Washington (o filho do Denzel) faz a gente entender que realmente talento pode ser uma herança genética (algo que já tinha notado antes em O Infiltrado na Klan), principalmente depois de gravar cenas de trás para frente de uma maneira que me dá nó no cérebro. Aliás, nó no cérebro é o que provavelmente acontecerá com você também, mas vá fundo: você está assistindo Nolan - parece que não está entendendo nada, mas você está entendendo tudo. 

Agora pensa na complexidade deste filme, não só pela sua história, mas também em sua produção. O elenco inteiro teve que ensaiar movimentos de trás para frente, aprender a falar ao contrário, e até a cena de perseguição demorou 3 semanas para ser concluída, com uma pista imensa fechada para que os carros pudessem transitar ali tanto para frente como de ré. Mas o que supera tudo é a cena do avião sendo batida em um hangar, que não teve NENHUM efeito especial (Nolan quase não usa a tecnologia CGI em seus filmes).

De acordo com o site IMDB, a palavra 'Tenet' provavelmente foi inspirada no Quadrado Sator - uma palavra contendo um palíndromo latino de cinco palavras que remonta às ruínas de Pompéia. Neste quadrado há um quebra-cabeça composto por cinco palavras de cinco letras escritas em cinco linhas: SATOR, AREPO, TENET, OPERA e ROTAS. Em todas as direções em que o quadrado é girado, essas cinco palavras aparecem tanto horizontalmente quanto verticalmente - se ajustando ao recurso de inversão de tempo do filme. Essas cinco palavras também aparecem no filme: o personagem de Kenneth Branagh se chama Andrei SATOR, o falsificador responsável pela pintura e o ex-amante de Kat (Elizabeth Debicki) se chama Laurence AREPO. Já o termo TENET é o nome da organização para a qual o Protagonista é recrutado e ROTAS é o nome da empresa de segurança (olha aí, mais uma ligação entre os nomes dos personagens).

Tenet foi um dos inúmeros filmes prejudicados pela pandemia do Coronavirus. Quando a quarentena mundial foi decretada, 85% do filme estava concluído. O restante foi finalizado em total home office, inclusive a trilha sonora. Sua estreia foi adiada muitas vezes, chegando aos cinemas americanos em setembro, e aqui no Brasil só no final de outubro.


2. Interestelar - 2014


Interestelar é um filme que, apesar de pessoalmente não curtir o final, ocupa o segundo lugar da minha lista por encará-lo como uma verdadeira obra prima. Tudo neste filme beira o impecável (apesar do final dispensável, ainda sim foi um final ruim bem feito, rs): trilha sonora, elenco, fotografia, roteiro, emoção, narrativa, entre outras coisas que poderia ficar até amanhã listando. É um filme que me apaixonei tanto, saí tão encantada do cinema, que passei a escutar quase sempre a trilha sonora em casa, comprei o blu-ray para chamar de meu, fui no cine drive-in para curtir a experiência novamente, e panfleto insistentemente para todo mundo, inclusive me voluntario a explicar se a pessoa não entendeu. 

Talvez essa perfeição tenha sido causada pela forma que o filme foi produzido. Nolan não colocou os atores em uma cabide rodeada de chroma key e passou a filmar cenas ensaiadas: ele construiu um set fechado para projetar cenas reais do espaço, e assim captar reações reais dos atores quando olhassem pela janela. 

Interestelar é um projeto de Jonathan, o irmão mais velho de Nolan, e a princípio, Spielberg foi escalado para dirigir o longa em 2006. Na época, o diretor de Jurassic Park não topou o convite, e depois de 6 anos, Jonathan convidou Christopher para fazer a mágica acontecer.

Apesar do roteiro ter sido baseado na obra sobre espaço e tempo de Kip Thorne, Interestelar fala muito sobre relacionamentos familiares, e como o amor e a razão podem se tornar conflitantes diante das nossas perspectivas. A despedida dolorida também serve como pano de fundo para a icônica cena de Cooper indo embora para a sua missão, e pode ser muito bem traduzida pelo lindo poema Do Not Go Gentle Into That Good Night, de Dylan Thomas, e interpretado lindamente por Michael Cane durante o filme.


1. A origem - 2010


Apesar de sempre terminar um filme de Nolan completamente encantada por todo o seu trabalho, ainda não foi lançado nenhum outro filme que tenha superado o que senti ao assistir A Origem. O filme levou quatro Oscars ( melhor fotografia, melhor mixagem de som, melhor edição de som e melhores efeitos especiais) das oito indicações que levou, e demorou quase dez anos para ter seu roteiro finalizado por Nolan.

A ideia do filme surgiu quando o diretor era adolescente. Aos dezesseis anos, Nolan ficava com a pulga atrás da orelha sobre a maneira como acordava, e quando voltava a dormir de uma maneira mais leve, tinha a consciência de que estava sonhando. A partir daí ele passou a se interessar por estudar mais sobre sonhos e como o nosso corpo funciona neste estado.

Embora a ideia original ter sido toda de Nolan, Leonardo Di Caprio teve um papel fundamental no roteiro - ele e o diretor debateram por vários meses como o ator poderia adicionar mais emoção à história. Nolan explicou ao site Deadline porque isso aconteceu: "A peça final do quebra-cabeça com o roteiro, que eu tentava terminar há cerca de 10 anos, era descobrir como me conectar emocionalmente com o personagem central de uma maneira que tornasse a história mais emocional"

Em A Origem, temos mais uma ligação entre nomes de personagens: as iniciais dos principais personagens formam a palavra DREAMS (Dom, Robert, Eames, Arthur, Mol e Saito). E se juntar mais 3 personagens (Peter, Ariadne e Yussef) formam DREAMS PAY.  E caso você tenha tido uma certa dificuldade para entender o final (nem Di Caprio entendeu, rs), Michael Caine dá uma dica infalível
'Se eu estiver na cena, é a realidade'.

Nolan é um cara que parece exigir o máximo de cada ator que se envolve em seus trabalhos (é muito comum ver entrevistas de atores dizendo que chegaram ao limite da exaustão durante as filmagens - Anne Hathaway até falou que não há cadeiras no set para que ninguém se sente), mas que mesmo assim, todos querem voltar a trabalhar com ele. Deve ser aquele desafio profissional que todo mundo gosta de se envolver, em que o ator dá o seu melhor, e é recompensado por aquele resultado de dar orgulho a qualquer um.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram