# Fofoca PhD: Recalque de Inferioridade X Superioridade














Notícia: "Autor que irritou Paul McCartney é escolhido para escrever biografia do músico" 
Fonte: MSN - Entretenimento - 18/Abril 

Fofoca: Porque o recalque de inferioridade versus superioridade faz de qualquer ser racional um babaca?


Fofoqueira Gita: 

"Comparação existe entre qualquer tipo de convivência, e no caso de um ambiente profissional, essa mania inconsciente, ou bem consciente de dar valor ao seu trabalho, de forma mais merecedora do que a opinião alheia, acaba sendo motivo para gafes. Quando você não concorda com as vias de trabalho do outro, não significa que você tem que desrespeitar a pessoa que ela é, e muito menos, boicotar o profissional também. Porém muita gente usa da  postura do outro como artimanha para valorizar o próprio perfil e desvalorizar o seu. Isso é muito comum em vários meios profissionais e acho que antes de depreciar o trabalho do próximo, é justo uma análise despretensiosa de recalque. No caso da notícia, fico feliz de ver que o Paul, de alguma forma ponderou a postura do autor, caso contrário, não aceitaria que ele próprio escrevesse sua biografia. Ou seja, quem dera se todo coleguinha de convivência reconhecesse a diferença entre capacidade e superioridade... "


Fofoqueira Soraia: 

"É sempre fácil esticar o dedo indicador e apontar os defeitos alheios. Difíicil é aceitar críticas. Nenhum ser mortal aceita ter a sua ferida cutucada sem esboçar qualquer reação. Não somos Jesus Cristo e não oferecemos a outra face. No entanto, achei, digamos, digno o que Sir Paul fez. Foi algo que fez jus à sua titulação; nada mais nobre do que errar e reconhecer o erro. No calor do momento, não somos capazes de reconhecer os erros; infelizmente, a maior parte dos seres humanos é desprovida de autocrítica, o que abre espaço para esse tipo de comentário. Mas vou além e lanço algumas questões: quantas das críticas feitas pela imprensa são desprovidas de subjetividade? Quantas das críticas que fazemos são realmente positivas? Quantas vão agregar valor à pessoa criticada? Quantas não querem apenas desqualificar o indivíduo criticado em vez de contribuir para o seu aprimoramento pessoal/profissional? É infinitamente mais fácil quebrar o teto de vidro; consertá-lo, porém, é para poucos."


Fofoqueira Sheila: 

" Falando sobre este assunto como um todo, não especificamente sobre o Paul (que por ser um sujeito impar e um lord digno de um título nobre dado pela rainha de seu país, nos surpreende por sua atitude), acredito que falta um pouco de coerência quando as pessoas criticam aos quatro cantos. Porque, primeiramente, o critico está fazendo direito a sua parte? Ou está se preocupando mais com a vida do criticado do que com a sua própria? Pegando pelo lado profissional (caso Paul, mas não exatamente o Paul) muitas vezes aquele que mais se incomoda com as atitudes do outro é aquele que nem dá conta do seu próprio trabalho. E muita vezes, até por possuir uma posição privilegiada, procura se destacar diminuindo o desempenho do outro, mas não demonstrando o seu, e sim tentando diminuir o criticado de  forma pessoal. Ai se o mundo tivesse mais pessoas como Sir Paul. Um mundo cheio de lords cairia muito bem."


Fofoqueiro Iatan: 

" Não lembro onde li, ou ouvi, que a inveja é o que move o mundo atual. Concordo plenamente com isso, e acho até que é mais do que comum desejarmos o que é do outro, não por egoísmo, mas por que isso até mesmo nos ajuda a traçar metas para nossas futuras realizações pessoais ou profissionais. Mas como tudo na vida, há um limite. Se você tem inveja de uma pessoa e está intencionada a ser melhor do que ela por algum motivo irrelevante, apenas por querer que aquela pessoa esteja submissa a você, isso não é mais inveja, é recalque. E recalque é recalque, é querer estar sempre acima, se vangloriar pelo que faz e achar que ninguém faz algo tão bem quanto você, quando na verdade o que você faz pode ser tão comum que qualquer pessoa pode fazer. Ou seja: é o ápice da babaquice. Críticas são necessárias para o amadurecimento de qualquer um, mas acima de tudo é necessário ser coeso com o que se fala, e ter pelo menos o mínimo de razão antes de abrir a boca."




3 comentários:

  1. Dicas para driblar os fofoqueiros

    1. Nunca fale mal das pessoas, principalmente das que trabalham com você. Se houver algum problema entre vocês, seja objetivo e chame para uma conversa esclarecedora.

    2. Tenha consideração sincera pelos outros, seja capaz de dar e receber opiniões construtivas. Fale a verdade e esteja pronto para ouvir também, sem com isso criar um clima de hostilidade.

    3. Mantenha a neutralidade quando alguém estiver falando mal do outro, evite fazer comentários que possam ser utilizados de forma desleal e desrespeitosa. Se você concordar e falar mal também, a outra pessoa vai saber e sentirá que deverá fazer o mesmo em relação a você.

    4. Quando ouvir um comentário negativo acerca de uma pessoa, reflita se essa conversa agrega alguma coisa, se prejudica alguém ou a empresa, e como você se sentiria se isso fosse dito sobre você.

    5. Depois disso, questione seu interlocutor: A. O que você vai dizer agrega valor positivo para nós e a empresa? B. Posso falar com a própria pessoa e com as outras que você está dizendo isso dela?

    6. Crie o hábito de falar bem dos outros, procure focar nos aspectos positivos que cada um possui, sem com isso se transformar em um “bajulador”.

    ResponderExcluir
  2. Uma simples Miopia pode fazer a pessoa se tornar inferior mas a pior coisa é mesmo Cegueira espiritual .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre tudo o que disse, concordo... Pode ter certeza que suas dicas também vão acordar muita gente rs. Brigada Fabio! Grande beijo!

      Excluir

Instagram