Soraia: Quem poupa, tem

Olá, a todas (os). Conforme os meses estão passando, percebo que há muitos detalhes que vão surgindo e que dão ótimos temas para abordarmos neste cantinho, antes mensal, agora quinzenal. Tentarei falar sobre a maioria, mas não garanto que irei conseguir. Assim, focarei naqueles que acredito serem os mais importantes e convido-as a sugerirem temas que estejam lhes tirando o sono.

Hoje, o tema é orçamento. Essa palavrinha deveria estar presente na vida de qualquer pessoa bem organizada e que se preocupa não apenas com o presente, como também com o futuro. No entanto, quando chega uma época como a do casamento, ela se torna fundamental para a sua vida não virar um inferno.

Assim, o primeiro passo é definir como será o casamento: com ou sem cerimônia religiosa, com ou sem festa, somente um registro civil em um cartório, etc. Cada um desses caminhos influenciará de maneira decisiva em seu bolso. Mas eles não serão os únicos fatores. O fato de ter ou não uma residência, ou de ter que fazer uma reforma, ou ainda ter que morar de aluguel pode refletir no montante que o casal terá para gastar com o casório.

Reiterando, o bolso é o limite. Por mais que o enlace seja o ponto máximo do que estão planejando, há diferentes aspectos que devem ser vistos e pensados. E cuidado: muitas vezes esses itens que compõem a festa devem estar quitados até o dia do casório. Portanto, atentem para não fazerem dívidas desnecessárias ou impossíveis de serem quitadas. Vejam a quantia que dispõem e tomem suas decisões.

Para não fazer das minhas ideias uma verdade irrefutável, aproveitei o tema para conversar com mulheres que já passaram ou estão passando por esta experiência. Abaixo, seguem suas histórias.



Mara Rubia Santos Tezinho Nery, jornalista, e Josias Nery dos Santos Júnior, publicitário, namoraram por quase quatros anos antes do famoso pedido, e tiveram um ano e dois meses para organizarem o casório. Os noivos optaram apenas por uma cerimônia religiosa, realizada no dia 29 de outubro de 2011, e isto ajudou a diminuir os custos do casamento. Ainda assim, eles tiveram que tomar algumas decisões para que o orçamento ficasse mais realista: “escolhemos gastar menos com coisas supérfluas e parcelar tudo no menor número de vezes possível”, explica Mara.

Outro fator que contribuiu para a escolha de uma cerimônia simples foi o fato de eles estarem reformando a casa onde iriam morar. “Desde o início estávamos cientes de que seria tudo simples, principalmente porque também estávamos reformando a casa e não queríamos ficar com muitas dívidas”, disse a jornalista.

Mas, como a maioria das mulheres, nem tudo pode sair exatamente conforme o orçamento. Segundo Mara, se teve uma coisa que ela não fez questão de economizar foi o dia da noiva e ainda destacou: “casamento simples ou luxuoso não importa; deve-se fazer o melhor possível, por se tratar de um momento único”.




Roberta Kelly Spada, assistente de vendas, e Danilo Matos de Barros, gerente de produto, namoraram quatro anos antes de decidirem casar. Eles tiveram um ano e meio para prepararem os detalhes do enlace, que acontecerá em abril deste ano, e optaram por uma cerimônia religiosa e uma recepção íntima em um buffet da região onde a noiva mora para celebrar o momento.

Para Roberta, o prazo que eles tiveram foi fundamental, pois puderam procurar tudo com bastante antecedência e fechar alguns serviços por preços bem acessíveis. “Ter paciência e ser persistente também foi muito importante para o nosso orçamento, já que pesquisamos bastante e conseguimos negociar ótimos preços”, complementou a noiva.

Economizar um pouco em cada parte da festa e da cerimônia, bem como “pechinchar” junto aos prestadores de serviços pode render gratas surpresas, podendo essas economias serem aplicadas em outras partes da festa, ou ainda na lua de mel, vestido da noiva e no serviço de buffet. “A questão não é fazer ou não economia; acredito que é possível fechar serviços muito bons com um custo razoável”, disse a assistente de vendas.

Ela ainda fez questão de dar mais duas dicas preciosas às noivas de plantão. A primeira foi um verbo muito útil: pesquisar. A segunda, mais específica, foi com relação a documentos e gastos relacionados à eles. “Reserve um dinheirinho para a parte de documentação do casamento. Isso acontece cerca de quatro meses antes do casamento, e envolve muitos gastos e papeis”, aconselhou.

(Nota da phdete colunista: Obrigada, Roberta. Essa parte de documentação nem eu sabia.)




Vanessa Cristina da Silva, que trabalha na área de editoração, e Daniel Marcelo Silva, professor de Educação Física, namoraram por cinco anos antes de tomar a decisão. Há um ano, eles começaram os preparativos e pretendem casar no início de 2013. Segundo Vanessa, o casal optou por uma cerimônia simples, a qual envolverá apenas o chamado casamento civil.

Essa decisão foi justificada pela escolha deles em reformar o apartamento recém-comprado. “A reforma do apartamento é a nossa prioridade, por isso resolvemos economizar em itens como festa e lua de mel”, disse a noiva, que ainda fez questão de destacar que planejar tudo com antecedência é a melhor alternativa para aqueles que pretendem casar. 
-
Gostaram das dicas de hoje? Aproveitem para deixarem os seus pitacos por aqui e espalhar para os seus amigos no Facebook ou Twitter, curtindo nossos botõezinhos abaixo. Mesmo não sendo você a noiva, tem sempre uma amiga com tais planos prestes a serem colocados em prática! Quinzena que vem falarei de um item que faz a cabeça de diversas moças, inclusive nossas phdetes leitoras: o vestido de noiva. Te espero!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram