10 coisas que aprendi sobre decoração (depois que quebrei a cara)


Desde 2013 que eu não moro mais com os meus pais. E quando fui morar em minha primeira casa, lá em Manaus, eu sabia que não poderia incluir muito a minha marca, porque precisava encontrar algo já pronto, mobiliado, para passar uma temporada a qual eu não fazia ideia de quanto duraria. E pode parecer besteira, mas vocês não sabem o quão difícil é se sentir em casa em um ambiente que não foi construído, decorado, ajeitado e acarinhado por você. 
Quando voltei para São Paulo, passei um ano na casa dos meus pais novamente, mas desta vez com quase uma casa inteira dentro (e encaixotada) de um único quarto. Mas o que eu e o boy tínhamos em mente era que a nossa próxima casa seria escolhida a dedo, porque ela seria do jeitinho que a gente sempre quis. 


E foi aí que a escolinha da vida deu início as aulas. Quando a gente decora do 0 o nosso primeiro cantinho com a grana contada, ao mesmo tempo que você aprende de verdade sobre seus gostos pessoais e personalidade, você também aprende algumas coisas muito importantes cometendo erros, muitos deles graves, outros que te fazem rir depois de um tempo:

1. O sofá e a cama precisam ser, antes de tudo, confortáveis

Uma das coisas que eu mais detestava na minha casa em Manaus era o sofá que já tinha no apartamento que alugamos. Ele era feio, brega e tremendamente desconfortável, de um jeito que nas últimas semanas de nossa estadia por lá, jogamos o colchão reserva do apartamento no meio da sala para assistir televisão. Já no primeiro apartamento em São Paulo, nosso problema era a cama. Ela era de ferro, já antiga, linda... mas quando um se virava durante a noite, o outro acaba vaacordando de tanto que ela balançava e fazia barulho. 
Os lugares mais confortáveis da casa precisam ser justamente a sua sala e o seu quarto. É na cama que você descansará o sono dos deuses e no sofá que você não só receberá as suas visitas, como também perderá um bom tempo sentado de frente para a televisão, ou seja...

2. Quantos mais móveis você tiver em casa, menos pessoas caberão nela

No primeiro apê, tínhamos 55m2 para duas pessoas. No começo parecia que tínhamos encontrado um equilíbrio bom com a disposição dos móveis, mas acabamos precisando adicionar mais itens para acomodar os nossos pertences com mais precisão. E foi aí que as coisas começaram a ficar um pouco apertadas. Não podíamos investir em um planejado porque o apartamento era alugado, e com a chegada da Dora, tudo ficou mais apertado ainda! Gostamos de receber pessoas queridas em casa, e quando o número de convidados passava de 3, me sentia um pouco incomodada, pois tinha a sensação que não conseguia mantê-los devidamente acomodados naquele espaço minúsculo. A solução foi não cometer o mesmo erro no novo apartamento, para garantir o próximo item...

3. Sua casa precisa ser funcional antes mesmo de ser bonita

Todos os cômodos precisam ter espaço para uma pessoa passar, um cachorro passar, uma criança passar, sem meter o mindinho do pé em algum móvel. Se passar uma boiada além do boi, melhor ainda, assim pode passar a pessoa, o cachorro e a criança de uma vez só! E para isso, é importante não ter muitos detalhezinhos (aqueles que se não existissem ali, não fariam a menor diferença) no caminho, nem portas de armários raspando em outros móveis ou paredes.
Outro fator muito importante é deixar os itens mais usados em seus devidos lugares de fácil acesso. Não faz sentido você guardar o liquidificador no armário do quarto por falta de espaço na cozinha, certo?

4. Nunca, mas nunca mesmo, compre algo sem medir o espaço que ele vai ficar

Desejar uma cama king size todo mundo deseja, o problema é ela caber no quarto, né? Eu já comprei muita coisa errada por não ter medido o espaço ou mobília antes de sair de casa, como lençol ou tapete menor, armário maior, entre outras cabacisses. 

5. Nunca, mas nunca mesmo, compre o que você não precisa só porque está na promoção

É aí que mora o perigo, porque além de adquirir uma dívida que nem precisava, você ainda dará o start para acumular coisas que mal serão usadas (e que provavelmente se arrependerá por ter comprado). Fora que isso tira a oportunidade de investir em outra coisa que você realmente vá precisar, seja para casa ou para uso pessoal.

6. Dê prioridade sempre para comprar o que é mais necessário

Faça uma lista com as coisas que você precisa e outra com coisas que você deseja, e parta para a segunda lista somente depois que a primeira já tiver sido toda atendida. E isso vale não só para a coisas da casa como necessidades pessoais. A vacina do cachorro, por exemplo, é mais importante do que investir em uma prateleira nova, certo?

7. Decorar requer paciência 

Mobiliar do 0 não é fácil, mas é de suma importância começar pelos itens essenciais para a sobrevivência na casa, como geladeira, fogão e cama. Se os itens em questão forem muitos, parcele-os seu estourar o orçamento e pense nos outros itens básicos da decoração somente quando terminar de pagar todos eles. E para não meter os pés pelas mãos, coloque tudo em uma planilha e controle tudo isso de perto. É melhor ter paciência e fazer tudo aos poucos do que se embolar e ficar no negativo.

8. Antes de comprar, pense se é só algo que você achou legal ou se representa de fato a sua personalidade

Com a internet aí para deixar tudo mais acessível aos nossos olhos e conhecimento, é importante saber o que de fato faz parte do seu estilo (e da sua casa) ou se é algo que você só achou bonito. Lembre-se sempre da teoria do menos é mais e espere um pouco antes de adquiri-lo para ver se não é só um fogo de palha passageiro.

9. Se você não tem grana para trocar a sua decoração a cada ano, não invente de escolher um móvel chamativo que você pode enjoar em questão de meses

É melhor ter móveis atemporais, que combine com tudo e que te dê liberdade para adicionar mais cores e estilo em adornos menores e mais baratos do que adquirir um trambolhão enorme que marcará sua decoração e que com o tempo canse suas vistas, ou que não te dê a liberdade para trocar os objetos em volta. Se seu sobrenome não é Kardashian, evite!

10. Sua casa, sua energia, sua identidade

Por mais que seja legal seguir um estilo decorativo, não esqueça que a sua marca deve ser adicionada na casa. Se você não é muito bom(boa) em cuidar de plantinhas, não adote uma espécie só por estar em evidência, e que morrerá em poucas semanas. Se contratou um arquitetx e não achou legal alguma sugestão feita por elx, não pense duas vezes antes de pedir a mudança. Se ganhou algum desapego de alguém para mobiliar seu canto, tente dar uma nova vida ao objeto - as vezes uma simples troca de puxadores já faz uma grande diferença. Cores, quadros, fotografias e estilo devem sempre seguir o seu gosto pessoal, e não o que falaram para você que seria mais interessante, moderno ou atual. Como eu disse lá no começo do post, morar em um lugar que não tenha a sua cara pode te fazer não se sentir na sua própria casa, lugar esse onde você deve se sentir exatamente mais confortável, a vontade e ambientalizadx.

Se você, assim como eu, quebrou a cara decorando a sua casinha, conta aqui nos comentários que eu tô doida para saber (e aprender com os seus erros também!).


2 comentários:

  1. Meu sonho era saber decorar. Sério. Eu NÃO CONSIGO visualizar um ambiente e deixá-lo bonito. NÃO CONSIGO. Consigo dizer o que gosto, o que não gosto, mas não consigo, do zero, definir como seria o meu estilo preferido, sabe?

    blogdeclara.com

    ResponderExcluir
  2. Me identifiquei tanto que nem sei hahaha desde que fui morar sozinha passei por TODOS esses problemas, e tbm aprendi a lição haha <3

    ResponderExcluir

Instagram