Sara Richena: Eu e minha Síndrome de Peter Pan


Preciso confessar que não é fácil ter 26 anos e a alma estar um pouco mais atrasada na idade, digamos que a minha insiste em parar nos 15 anos e nada a tira de lá. E eu é que não vou dizer o contrário pra ela. Sabe porque? Porque pra mim tudo bem ser assim, sou feliz da mesma forma que uma pessoa com 26 anos e uma alma de 26 anos ou de 36 talvez. O lado ruim mesmo é ter que aguentar as pessoas do lado de fora e ouvir piadinhas e comentários que na maioria das vezes é de revirar os olinhos. A vontade que eu tenho? De mandar a fatura do meu cartão e as outras contas para pagar e depois quem sabe eu de alguma moral pra opinião alheia. Mas não estou aqui para um post revoltado, e sim para algo leve assim como a minha alma teen. A alma, porque o resto ta pesado. ABAFA, amiga!

Vamos começar pelo meu sonho nutrido desde que me conheço por gente. Desde sempre meus pais colocavam os desenhos da Disney pra eu ver e acabei ficando encantada por tudo que envolve esse lugar. Sim, meu objetivo nível hard de vida é ir até a Disney. Mas enquanto isso não acontece a gente vai respirando o Mickey por aqui. Tatuando um Mickey e uma Minnie por ali. E sim, eu tenho uma tatuagem Disney e pretendo ter mais. Tenho pelúcias da Disney e pretendo ter mais. Quando tiver minha própria casa ela vai ter muita Disney. E o que eu mais ouço das pessoas é: "Você não acha que já passou da idade pra tudo isso?". Se passei da idade não sei, mas que a minha mão coça pra passar na cara dessas pessoas eu bem sei. 

Estou aqui esperando minha cartinha de Hogwarts até hoje e permanecerei esperando. Vai que, né? E daí que as pessoas a minha volta nutrem filmes e histórias favoritas diferentes da minha e quando eu falo: Harry Potter!, me olham torto como se fosse algo que eu teria que me envergonhar. O que as pessoas não entendem é que nós adultos com alma teen também podemos gostar e nos interessar bastante por filmes e livros com temáticas diferentes, as quais vocês insistem em rotular como adultas ou infantis. E essas leituras valem para revistas também... que atire a primeira pedra quem nunca disse que curte Capricho e recebeu uma olhada de canto seguido de uma gargalhada - ou talvez você seja essa pessoa que adora apontar o dedo para o próximo.

A coisa só piora mesmo quando o assunto é música. A reação das pessoas é a mesma do gif, juro. Assim como os livros e filmes, nós podemos muito bem gostar do que a maioria diz ser música boa, não vou ficar deslocada na rodinha dos amigos. Amo música e vario muito, mas muito mesmo a minha playlist. Mas é muito engraçado e ao mesmo tempo deprimente ver a reação das pessoas quando eu digo as bandas que eu sou fã, as bandas que eu já fiz fã clube. Qual o problema em uma pessoa de 26 anos gostar de One Direction? Só porque a maioria das fãs tem de 13 a 16 anos? Elas são ótimas pessoas, assim como eu, como você e como a banda que você ouve, o livro que você lê, o filme e o programa de TV que você assiste, a revista que você lê.

Não me venham com: "Sara, você está quase com 30 anos e uma filha para criar, está na hora de melhorar esses gostos, de crescer." Quando eu escuto isso lá no fundo eu agradeço e fico feliz por ser assim, por ter a minha alma presa aos 15 eternamente. Mais feliz é uma pessoa bem resolvida com o que gosta, do que um alguém que segue padrões ou tem sempre aquele dedinho apontado pro outro. Não concordam comigo? Então se você é uma alma teen assim como eu, venha cá me dar um abraço quentinho e se você não for do time teen, talvez não entenda o quão bom é uma abraço quentinho e isso deve ser muito triste.

Bêajs. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram