Blecaute


Comprei o livro Blecaute no ano passado, antes de ir morar em Manaus. Por motivos óbvios, não pude levá-lo, assim como diversos outros livros maravilhosos que tinha comprado. Resumir uma vida de 30 anos em uma única mala de 26 quilos era muita sacanagem... Mas mantendo o foco do texto, dei início a leitura do personagem do post na semana passada, e em uma semana devorei-o como não fazia há tempos com um livro, comprovando o que Paulo Leminski escreveu na Folha de S. Paulo lá em 1986, quando ele foi lançado: 'Se Marcelo pretendia escrever um desses tais romances que não se pode parar de ler antes da última frase, parece que conseguiu'. 

imagem: Google
Falando em Marcelo... Vale escrever sobre o autor antes de começar a falar sobre a história, porque para mim, Marcelo Rubens Paiva é como o John Green é pra vocês: um mito. Impossível ler 'Feliz Ano Velho' sem se apaixonar por sua real história, longe de ser qualquer relato de superação piegas. Se eu puder ser 10% dele quando crescer, ficarei feliz.


Sobre o Blecaute... Trata-se de uma história que já conhecemos muito bem: uma pane no mundo. Mas o que difere a obra de outras é a forma que Marcelo discorre a trama. Não espere conclusões ou desfechos, explicações sucintas sobre o que ocorreu com o restante do mundo enquanto Mario, Martina e Rindu estavam presos em uma caverna no Vale do Ribeira. Isso vai ficar por conta da sua imaginação conforme for lendo cada página, e acredite, você vai preferir assim. 
A maneira como Rindu relata a sua maçante rotina em uma enorme cidade as traças te leva a imaginar a loucura que o personagem passa a viver, diante de uma situação sem respostas e aparentemente sem solução, além de te fazer se perguntar 'o que eu faria se tivesse o mundo inteiro só pra mim?' A procura de novos sobreviventes e novas formas de 'se virar' torna-se o principal objetivo do narrador, que passa por diversos sentimentos: desde a sensação de liberdade, de saudade, de desejo, medo a mais profunda depressão e delírio. Resumindo em 5 categorias, você deve ler Blecaute porque:

1 - É uma leitura fácil, logo, nem sua preguiça será desculpa plausível para não ler;
2 - A narrativa é feita pelo próprio personagem, o que te permite se projetar na história de uma forma próxima aos fatos;
3 - Você fica tão curioso(a) pelo desfecho da trama que acaba lendo sem sentir o tempo passar;
4 - O livro é rico em detalhes geográficos, e não sei vocês, mas adoro encontrar em histórias lugares os quais já conheci ou gosto de frequentar.
5 - Os personagens pintam a Avenida Paulista de vermelho. Isso pra mim já vale todos os tópicos.

Obrigada Marcelo Rubens Paiva, por mais uma vez, me presentear com sua criatividade maravilhosa. :)

Um comentário:

  1. Delícia! Deu até vontade de reler. Vou chegar em casa hoje e caçar o meu na estante!

    ResponderExcluir

Instagram