Sara Richena: Três dicas do que você não deve fazer com suas unhas


Existem alguns hábitos e vícios que além de acabar com a aparência das suas unhas pode ser prejudicial a sua saúde, e foi pensando nisso que nós do PhD resolvemos colocar em pauta três deslizes que a maioria das mulheres cometem. 

Roer unhas 

Onicofagia Crônica, como é conhecido cientificamente o hábito de roer/morder as unhas dos dedos das mãos ou pés durante períodos de nervosismo, ansiedade, stress, fome ou tédio. Pode ser também um sinal de desordem mental ou emocional. As consequências para quem tem esse hábito são sérias - vai desde a deformidade até a destruição definitiva das unhas. Mas o problema mais sério é o de infecções bacterianas e virais que podem prejudicar a área do contorno da boca, dos dedos e as cutículas, fazendo mal também ao aparelho digestório, já que as bactérias podem causar infecções na garganta e nada ao estômago e ao intestino, por exemplo. São motivos suficientes para você parar de vez com esse vício, não é mesmo? 

Mas e como tratar?

Mantenha as unhas sempre bem feitinhas e esmaltadas: Garanto que vai pensar duas vezes ou mais antes de roer suas unhas quando ver que elas estão bonitas e bem feitas. Procure usar esmaltes escuros, vai facilitar.
Inibidores com gosto amargo: Fácil de encontrar - você compra no mesmo lugar que seus esmaltes, se olhar bem vai estar do ladinho. 
Tenha sempre uma bala ou chiclete por perto: quando sentir aquela vontade insana de levar a unha na boca, pegue um docinho evite a recaída.

A base incolor antes do esmalte 

O esmalte contém vários componentes químicos que prejudicam as unhas, e como a base não tem corantes  acaba sendo uma perfeita aliada das unhas. Ela a prepara e a protege para receber o esmalte, deixando-as também hidratadas. Quando passamos esmalte vermelho ou outras cores mais fortes, percebemos que as unhas ficaam amareladas e feinhas. A base evita que isso aconteça devido o fato de não ter corantes, como  disse no inicio. 

Hoje em dia existe no mercado uma variedade de tipos de base, além de fazer aquela camada protetora antes do esmalte elas tratam, hidratam, fortalecem, ajudam a crescer e até fazem a nivelação da unha. Escolha o tipo que melhor se encaixa com você e lembre-se sempre de usá-lo antes de esmaltar.

Unhas grandes nunca mais

Se você não é o Zé do Caixão não tem porquê deixar as suas unhas enormes. Além do aspecto feio, você está acumulando sujeira e bactérias debaixo delas. Não afugente seu boy magia com essas unhas de gavião. As unhas crescem de maneira contínua e velocidade diferente a cada fase. Em média, cerca de 3 a 4 mm por mês e devem ser cortadas com alguma regularidade. Caso não se corte regularmente sua extremidade vai progressivamente ultrapassando a ponta dos dedos e engrossando de forma irregular. O certo é cortá-las com um instrumento afiado (tesoura ou trim) que permita uma pressão idênticas às duas superfícies. Depois é só lixar com carinho para eliminar as pequenas irregularidades que deixamos. O ideal é cortar as unhas na linha do dedo, assim você garante maior solidez nas pontinhas dos dedos e protege melhor esta cavidade, mantendo sujeiras e bactérias distantes de você. Isso também vale para as unhas dos pés, viu?

Dicas anotadas? Agora é só colocar todas em prática e ter as suas unhas sempre lindas e saudáveis. E lembrando que a loja Animma dá um descontão para as leitoras do PhD, leia este post e se jogue nas compras.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram