Com quem sempre contar.


São inúmeras sintonias que podemos criar quando a convivência, independentemente da maneira desse convívio, pode nos oferecer...
Por mais que as preocupações rotineiras, responsabilidades de gente grande ou uma paixão avassaladora as fazem distanciar-se de mim, sei que não é por maldade nem tão pouco desprezo - sempre habitarei o coração delas. E elas o meu.
E a lealdade é tamanha que não importa o tempo que ficamos distantes - a conversa sempre terá o mesmo tom de empolgação.
Cada uma tem suas vidas distintas. Isso é mais do que explicito, como todo ser humano normal. Mas as ligações são as mais consideráveis possíveis. A saudade bate por igual e chega uma hora que não tem jeito: precisamos nos encontrar.
Vejamos os casos isoladamente:
Mariah C. - Chegou por aqui na miúda, despejando todo o romantismo de uma aquariana sem igual! Tem seu mundo particular, sua rotina supostamente normal, vive no mesmo mundo pseudo intelecto que Tuka desde que nasceu. Mesmo geograficamente distante por anos, quando voltou para essas bandas parecia que o tempo não tinha passado. Tão diferente e ao mesmo tempo, tão parecida comigo. Deve ser coisa de sangue mesmo... Por tantas noites já conversamos, rimos, bebemos, nos apaixonamos, nos desapaixonamos, criamos histórias, contamos outras, fizemos planos, não colocamos alguns deles em prática e outros ainda queremos por. Já me assistiu dançando feito louca descabelada e suada, enquanto ela estava delicadamente maquiada e sentindo de mim a vergonha alheia. Mas nunca deixando de me amar.
Poulain - A vi virando uma mulher. É o que a vida proporciona com seus acontecimentos inesperados. Pacata, sensata, madura e charmosa, ela nunca se expõe sem necessidade. Vive tão particularmente em seu mundo que seus sumiços não são assustadores - pode ter certeza que na hora certa e sem chamar ela se faz presente. Me mata quando me manda um simples recado: " Posso ter sua companhia em algum dia desses?". Não tem como falar não pra um pedido tão irrecusável.
Gita Habiba - Ao contrário da Poulain, foi ela quem me viu crescer. E foram vários dias de longas conversas, sempre chegando em conclusões comuns. Incomuns, mas comuns. Foi a 'ídala' de Tuka durante a infância - sempre a assistia no pátio do condomínio dançando com uma fita de cetim flutuando feito seus pés no ar. Mãe, mulher, profissional e esposa - adjetivos os quais dispensam qualquer justificativa para seus sumiços. Mas, de alguma forma, entre um pré-natal e outro (sim, Gita terá um bebê!) ela sempre faz uma força pra dizer: "tá tudo bem por aqui, e por aí?"
Bruna B. - A amiga distante mais presente. Longas conversas, sempre virtuais, e-mails gigantescos em horário de expediente, troca de confidências e experiências diversas. A pequena mulher que sabe apurar, estudar os fatos, despejar suas emoções em forma de palavras sensatas e envolventes, e chegou no PhD de uma forma tão singular que eu nem sei explicar aqui...
O PhD fez um ano no final de julho. E já estava na hora de mostrarmos quais os laços que fazem desse blog um canto tão particular e especial para a gente. Amadurecemos nas palavras devido a cumplicidade que formamos no decorrer desse primeiro aniversário, assim como a verdadeira amizade sempre se renova, enraíza e eterniza. E por essas e outras que essa casa virtual não foi um daqueles projetos começados que não passaram dos primeiros meses por falta de produção literária. E aqui parece que sempre teremos algo pra contar.
E você tem alguma história pra contar? Bem vinda! Mande para o phdemseilaoque@gmail.com que a gente publica com todo carinho por aqui.

4 comentários:

  1. você quer me fazer chorar né? sentimental do jeito que eu estou :(
    UAHUAHAUHAUHAUAHUAHUAH te amo muito e obg por me deixarem participar desse blog maravilhoso *-*

    ResponderExcluir
  2. Oi Tuka.

    “- Agora pude através da sua lente de palavras, vê-las e conhecê-las de uma forma indireta, mas pude o que já vale alguma coisa. Dentre elas, eu conheço a Gita, que conheci nos meus tempos de poeta, quando participava de um site (Recanto das Letras), no entanto o tempo nos deixou distantes e agora – incrivelmente inesperado ela me encontrou no Blog. Não sabia que ela estava esperando uma criança; diga a ela que desejo tudo do melhor. A Bruna eu conheço o Blog dela, e a li diversas vezes; agora o tempo me deixa a responsabilidade e a oportunidade de conhecê-las, e dividir parte do que há, do que sou, das boas coisas que existem. Sempre as boas coisas.” Abraço, até mais.

    ResponderExcluir
  3. Oi querida...
    Vc é phoda...rsrsrs
    E tem que ser com PH né!
    Você sempre me faz lembrar de uma época muito saudável, muito feliz e só me faz admirar o quanto você consegue ser assim: Uma estupenda observadora dos jeitos e gestos... dentre tantas outras coisas!
    Obrigada pela lembrança, obrigada por todas nós que participamos contigo desse site pra lá de cúmplice!

    Beijokas na bochecha fofaaa!

    ResponderExcluir
  4. Sim!Tudo que está aí acima é bem verdade, vc só esqueceu de concluir com:Eu sou a responsável por iluminar a vida dessas meninas ;)! Obrigada por fazer parte de nossas vidas!
    BeijoTeAmo!

    ResponderExcluir

Instagram