Poulain pt7 : Verde



Estávamos ali, um olhando pro pedaço roxo congelado - em mão diferentes, de sabores iguais. O vendedor parecia estar interessado naquela situação inusitada... naquela tarde ensolarada.
Sem pensar, sorri e sai caminhando na direção oposta - tirei o salto, e sai andando descalça com os sapatos na mão. Ainda estava sorrindo, sentia aqueles raios de sol penetrarem por meus poros, talvez assim, iluminando minha alma.
Sentia passos, próximos aos meus e uma respiração ofegante, bem diante das minhas costas - resisti, não virei... estava desejando uma atitude nobre de um rapaz lindo como aquele. Eu o desejei - eu desejei sua atitude e ela foi me concedida - parei. Parei vagarosamente, me virei com um sorriso estampado nos meus grandes lábios pintados de um rosado, ele estava diante de mim, o rapaz de bocas tão bem delineadas, de olhos castanhos, tão intensos. Meus olhos ardiam, devido aos raios solares tão intensos - ele continuava me olhando, admirando cada detalhe do meu rosto.

- Vamos pra aquela sombra,o sol esta incomodando seus olhos.
Sem responder, ele pegou na minha mão, e me levou até a sombra de uma árvore próxima. Me sentei naquela grama verde, e ele sentou do meu lado, bem próximo. Nossos braços estavam encostados. Nos olhamos no mesmo momento - os segundos pararam diante dos meus olhos.
Ele era sério, assim como eu, de boa aparência, estava com uma camisa verde, que combinava tanto com aquela tarde. Passamos horas e horas conversando sobre diversas coisas que combinavam com a gente, e outras nem tanto - trocamos telefone, e eu me despedi dele, de longe, apenas com um tchau - virei, e segui meu caminho de volta, enquanto ele me via sumir por entre os carros!

...continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram