DIY: Como fazer uma parede geométrica



No final de 2017 eu dei uma bela sumida. Não apareci por aqui para dizer como o ano, mais uma vez, passou rápido e eu nem senti, não escrevi sobre o que espero fazer em 2018, nem nada disso. Eu sumi para pintar o 7 aqui em casa mesmo. Estava na pegada do bode para colocar finalmente a mão na massa, agora com tempo, para executar todos os planos que pontuei desde que nos mudamos, em novembro de 2016, e não tinha conseguido. Eis que surgiu a parede geométrica no #aptocinquentatonsdecinza.

Confesso que eu não imaginava que o resultado ia chamar a atenção como chamou. Alguns perfis de decoração no Instagram publicaram a foto da minha sala de jantar, ganhei alguns seguidores a mais por lá, e tive bastante gente me perguntando como fiz essa arte. Logo, resolvi mostrar para vocês por aqui o passo a passo.

Foram 3 ambientes que receberam este tipo de pintura: a sala de jantar, o home office, e de forma simplificada, o quarto. Nos dois primeiros cômodos, o processo foi o mesmo:

Materiais que você precisará para este projeto:

- Cores de tinta de sua preferência (a latinha de 1/4 é mais do que suficiente)
- Fita crepe larga
- Rolinho pequeno
- Pincel
- Sacolinha de plástico
- Algo para proteger o piso
- Bandejinha de tinta
- Criatividade

Passo um: passando a fita crepe


Passar a fita crepe na primeira etapa é o processo mais fácil. Algumas pessoas projetam o desenho em um papel primeiramente, mas eu fiz isso meio que livremente. Levei em consideração algumas coisas: 

1. Eu queria que a tinta mais escura ficasse na altura das minhas cadeiras, já que elas estavam manchando a parede por conta do ferro preto na parte traseira, que todo mundo acabava encostando quando ia sentar. 

2. Eu não queria ter que recortar todo o teto, portanto, a ideia não era pintar muito próximo a ele.

Projetando isso na minha cabeça, desenhei a parede com a fita começando por baixo, exatamente na linha onde as cadeiras encostavam, e segui o restante da ideia para cima. A dica de irmã que  te dou para este processo é trabalhar com uma fita crepe larga, pois assim você conseguirá manter o alinhamento, sem entortar, enquanto cola o material na superfície (se ela der uma entortadinha, você perceberá e conseguirá corrigir o problema facilmente). Não esqueça de passar fita crepe também no rodapé, para evitar possíveis acidentes.

Antes de começar a pintura, peguei uma sacola grande e a abri no chão, exatamente onde eu começaria a pintar. Depois eu só fui puxando-a na direção em que eu ia passar o rolinho (não achei necessário forrar o chão inteiro para isso!). Em cima dela, deixei a latinha da tinta, a bandeja e o pincel. Outra dica de irmã: como você usará diversas cores em sua pintura, recomendo que coloque a sua bandejinha dentro de uma sacola. Despeje a tinta NA SACOLA, e use a bandeja somente como base de apoio. Assim, quando for trocar de cor durante o processo, é só jogar a sacolinha usada fora, e proteger a bandeja, então intacta e limpinha, com outra nova sacola limpa.

Passo dois: aplicando a tinta


Comecei aplicando a tinta debaixo para cima, mas caso você seja uma pessoa desastrada, recomendo fazer este processo de forma contrária: começar de cima, e depois embaixo. Eu não dissolvi as tintas que utilizei, pois não vi necessidade, logo, só fui despejando o produto na bandejinha encapada com a sacola (em pequenas quantidades, porque não gosto de desperdiçar nada) e colocando a mão na massa. Primeiro recortei a parede (que nada mais é que pintar com pincel nos cantinhos - as partes mais chatas onde o rolinho não alçanca), e depois apliquei duas demãos da tinta cinza. 

A segunda etapa foi pintar a parte do desenho que não se conecta com a tinta cinza, desse jeito:


Feito isso, é necessário esperar que a tinta seque bem. Como terminei as duas cores já de noite, optei por dar continuidade ao trabalho somente no dia seguinte, pela manhã. Mas caso o seu trabalho seja feito pela manhã, você pode dar continuidade ao processo no final da tarde. Por que isso? Porque para fazer a pintura da cor que se conecta com as outras, será necessário inverter a posição das fitas, e caso as tintas não estejam bem secas, você poderá estragar a pintura ao descolar o material da parede.

Passo três: invertendo a fita


A parte mais chata deste trabalho é inverter as fitas. Por motivos óbvios, né? Depois de descolar as fitas da primeira etapa, com muita paciência, você terá que passar novamente a fita, mas desta vez em cima da pintura já feita. Dependendo do seu desenho, não será necessário passar o material por toda a pintura, e sim somente onde você pintará a cor da vez. Aí sim tudo estará pronto para a etapa final do seu projeto. Olha como o meu ficou:




Aqui a tinta azul ainda estava fresquinha

Para tirar toda a fita, espere a tinta secar um pouco. Caso você veja imperfeições muito aparentes, faça as devidas correções com um pincel bem fino. Eu particularmente pulei esta etapa, pois as imperfeições não me pareceram tão gritantes.

Tintas utilizadas na sala de estar: cinza escuro, da Eucatex, Fundo do Mar, da Coral e Azul Danúbio, da Suvinil.

Home office







Cores utilizadas: cinza da Eucatex, Fundo do Mar da Coral, Rio Danúbio da Suvinil e Concha do Mar da Suvinil.

Quarto suite


Neste projeto, a execução do trabalho foi mais simples, porém exigiu uma técnica um pouco mais matemática. Como eu queria fazer um triângulo na quina do dormitório, precisei medir não só a altura da figura, mas também a largura onde a parede seria pintada. A metragem é muito relativa, e varia de ambiente para ambiente, e também depende do tamanho da figura que deseja pintar.


Utilizei a mesma fita crepe larga para adesivar a parede. Depois utilizei o pincel para pintar os cantinhos, e em seguida apliquei 2 demãos de tinta. Depois foi só esperar secar e tirar a fita.




Cor utilizada: misturei o cinza da Eucatex, o Fundo do Mar da Coral e o Rio Danúbio da Suvinil e deu nisso!

Devo dizer que realizar este trabalho foi uma terapia. Pode parecer trabalhoso, mas na verdade, você nem sente o tempo passar. Caso queira acompanhar mais de pertinho todo este processo, basta dar uma espiada nos stories fixos lá no Instagram do PhD.

Minha dica quanto a escolha das cores é levar em conta algumas coisas:

1. Estude cores que além de se harmonizarem entre si, também casem com o restante da decoração do cômodo. Na sala de jantar, por exemplo, eu já tinha tons impactantes na decoração, como o frigobar vermelho, os móveis e quadro amarelos... logo, eu não poderia escolher nada que pesasse mais ainda as cores fortes já existentes.

2. Escolha opções que não escureçam o seu ambiente, a não ser que essa seja realmente a ideia. Mas se o cômodo for pequeno, evite, pois ele ficará parecendo ainda menor com cores escuras.

3. Faça com que a pintura favoreça a rotina da sua casa: há um móvel que marca muito a sua parede? O cachorro vive sujando aquele trechinho? É só escolher um tom mais fechado e aplicar exatamente naquela altura que tanto te incomoda.

Agora que você já sabe fazer uma parede geométrica, é hora de botar a mão na massa, certo? Só não esqueça de me mostrar o resultado do seu projeto! Caso tenha alguma dúvida, é só deixar um comentário aqui no post que terei o prazer de te ajudar! Boa reforma para você!

Sala de jantar: quadro Pearl Jam Tour 2011 / moldura Rei da Moldura - mesa, cadeiras, luminária lunar, quadro Marcelo Sommer e armário Tok&Stok 
Home Office: almofadas Westwing, Riachuelo e Etna - luminária de paredemesa e cadeira Tok Stok - luminária de mesa Etna
Quarto: poltrona Leo, mesa lateral, passarinho, vela, organizador de cimento, luminária carretel, jogo de cama e terrários Tok Stok - almofada Forever 21 - cabeceira Etna

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram