Eu vou gostar de La La Land?


Na semana passada vivi uma experiência muito bacana, que se eu soubesse que era tão maravilhosa, já teria feito muito antes: fui ao cinema sozinha. Escolhi minha sala preferida, sentei na fileira que eu quis, pedi meu prato preferido do cardápio e me acabei de suspirar assistindo La La Land. 
Mas eu não vim aqui para escrever o que achei do filme. Na verdade quero que você, que ainda não assistiu, decida se vale a pena ir no cinema ou não, já que muita gente anda criando expectativas por um formato de longa incomum. Pra mim valeu cada segundo!


1. É um musical, pero no mucho

Apesar desta característica, não é uma história contada só através de músicas. Há muito mais diálogos do que atores cantando o tempo todo, e quando cantam, é encantador (notou o trocadilho, hã hã?!).
Mas falando sério, o filme consegue fazer parte de um gênero não tão admirado por todos, mas sem 'cantarolações' sem fim (justificativa super entendível dada por pessoas que não gostam de musicais), o que pode ser um bom motivo para você dar uma chance ao filme, caso seja este o seu problema.

2. É repleto de referências vintage

Você pode até se sentir meio perdido assistindo um filme que parece passar nos anos 1950/60 e dar de cara com Iphones e automóveis atuais, mas é importante saber que é este o charme. Foi Hollywood e os singelos vestígios de Art Deco que deram cor à uma trama dramática, que mostra a busca incansável de dois artistas por uma oportunidade em suas carreiras. Uma forma peculiar de transmitir alegria mesmo com uma narrativa um pouco triste.

3. Gostou de Whiplash?

Vale lembrar que o brilhante Damien Chazelle, que escreveu e dirigiu Whiplash, também assinou La La Land, e apesar de serem dois filmes distintos, são igualmente geniais (pronto, dei minha opinião sobre o filme! rs). As histórias podem ser diferentes, mas a forma como Damien mostra personagens dedicados e apaixonados pelo o que faz em suas obras é única.

4. Se você gostou de Cantando na Chuva, com certeza amará La La Land

Comecei a suspirar logo nos primeiros 10 minutos de La La Land por um grande motivo: me lembrei muito, mas muito mesmo, do meu filme favorito de todos os tempos: Cantando na Chuva. Apesar do clássico fazer La La Land parecer ter um formato de longa datado, é impossível não associar ambas as obras, e passar a acreditar que o mais novo deles tem de tudo para se tornar também uma obra inesquecível para o cinema internacional. São histórias que usam a ingenuidade e o amor como fonte de inspiração com pitadas de pieguice, e que a gente super aceita sem se sentir tapeado.

5. Todas as vertentes do amor

Todas as formas de amor podem ser conferidas neste filme: um sentimento que nasce mesmo sabendo que a pessoa é o seu oposto, e depois aumenta quando descobre que os opostos também podem se atrair. O amor por um sonho, que mesmo parecendo inalcançável, só cresce, cresce e cresce. O amor por algo que ninguém ama, que parece brega ou esquecido, mas que dá graça à sua vida. Um amor que até te faz fazer o que não gosta, só para fazer outro alguém mais feliz. Um amor que não morre nem com o tempo, nem com a distância e nem com as circunstâncias. 

Se você curtiu os cinco tópicos acima, certamente gostará também de La La Land. Então não deixe de garantir teu ingresso e separar a pipoquinha. Bom filme!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram