Amor. Modo de fazer

O amor é aquela coisa que chega devagar e sem pedir licença. Começa com sintomas de paixão e vai piorando a cada dia: respiração bagunçada quando vê ou beija a pessoa, as bochechas queimam quando percebe que ele/ela está te olhando bem nos olhos e vontade de largar tudo e viver de amor e cabana nos primeiros meses.
O amor te dá a sensação de que você pode tudo. Que a felicidade é aquilo e só aquilo e a vontade de oferecer a mesma felicidade para a outra pessoa é uma das metas principais da sua vida. A gente conta os dias pra vê-lo(a) novamente e sente vontade até de chorar na hora de se despedir. Sorrimos mais, reclamamos menos e qualquer música é trilha sonora perfeita para estar com ele(a). Nosso humor muda, sabe? Pra melhor. Tudo fica melhor.
E com o passar do tempo, a chegada da rotina e da intimidade, a paixão tende a dissipar. Muitas vezes o amor também desvanece porque nem todo mundo consegue administra-lo de forma contundente. Tem gente que trai, tem gente que passa a tratar mal, tem gente que perde o carinho e tem gente que se torna passiva(o) e deixa a pessoa ir embora aos poucos. O amor pode até existir, mas a má administração dele acarreta em finais infelizes em muitos casos.
Mas também há aquele que segura a barra porque sabe que a outra pessoa é perfeita para envelhecer ao lado. É a cia ideal para o passar dos anos. É quem você quer deitar junto pra dormir e levantar ao acordar e ver que ela/ele está ali, porque ali sempre será o lugar dela/dele. É quando a pessoa pensa antes de falar enquanto está nervosa, e ao invés de descontar sua raiva em quem está do lado, segura a língua e respira fundo pra garantir que ela/ele jamais vai embora porque não teve o devido tratamento merecido. É quando você tem paciência pra explicar quantas vezes necessárias para a pessoa que você ama entender corretamente o que você quer dizer. Repete de forma carinhosa 200x a mesma frase porque ela/ele não te ouviu. Indica o caminho certo ou segura a mão quando passa por um buraco caso a pessoa não o enxergue. Porque tudo isso vai acontecer de forma redobrada com o passar dos anos e a velhice chegar, e se ela/ele não consegue ter paciência para trata-lo(a) bem no estágio que é o relacionamento nos primeiros anos, quem dirá quando estiverem velhinhos! 
E pro amor não acabar, é de suma importância demonstrar sempre que possível os sentimentos. A gratidão pelo amor correspondido, é respeitar quem te respeita, é sorrir pra quem sorri pra você, é cuidar pra ser cuidado(a), é admirar para ser admirado... lembrar sempre que a pessoa está com você porque quer, e não por obrigação e que isso já é um motivo pra te fazer sorrir todos os dias quando lembra que você tem alguém pra dividir tudo o que quiser com ela. É olhar nos olhos enquanto ela/ele fala e admira as coisas boas que ela/ele faz. As vezes isso tem até a ver com saber o lanche preferido dele/dela. Deixar um bilhete carinhoso. Dar e receber. Dar e receber. Dar e receber...
No final das contas, o amor pode ter diversos picos, intensidades e vertentes. Mas ele sempre será o amor. O amor apaixonado, o amor respeitoso, o amor eterno. E tudo é possível e duradouro quando se tem o ingrediente básico da vida: o zelo.
-
Ofereço esse post a cada pessoa que ama com cuidado e carinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram