1997

Tenho que dividir os créditos desse post com @DiCarvalho. Isso porque depois de uma conversa pelo Twitter, chegamos na conclusão que o ano de 1997 foi o melhor de todos. Não sei se é porque éramos adolescentes, tudo era lindo e glamouroso, ou se realmente a qualidade musical do momento era realmente melhor do que a de hoje.
Particularmente falando, uma das minha bandas prediletas surgiram nesse ano: o No Doubt. Eles emplacaram o hit mais conhecido até hoje, Don't Speak:





E vocês lembram dessa mulher, hoje desaparecida do mapa?



A Alanis surgiu e me viciou nessa mesma época:




Naquela época também foi o 'boom' das boybands. Eu adorava o Nick Carter!


Quem nunca se jogou no meio da sala, cantarolando 'Torn'?


E essa banda de nome engraçado?


Me lembro que eu tinha uma raivinha desse cara trombando os outros na rua! Essa música tocou mais que tudo nas rádios e foi trilha sonora do filme Segundas Intenções:


E eu que dancei tanto essa música trancada no meu quarto!


E o Supergrass também apareceu aquela época. E desapareceu no ano passado...


Fiona Apple não conseguiu fazer música melhor que essa desde então:


E o Jamiroquai fez um dos clipes mais marcantes de todos os tempos:



E em 1997 que me apaixonei por NIN:


... e por Wallflowers também:


E conheci outras dezenas de bandas/artistas bons:

Matchbox 20:


Jewel:

Third Eye Blind (o vocalista até tentou se aventurar como ator em pequenos papéis em alguns filmes):

The Cardigans:
Possivelmente foi o ano de ouro da MTV também. Programas de qualidade faziam jus ao nome da emissora, apresentados por extintas figuras na mídia, como os VJs Rodrigo, Gastão, Fábio Massari e Chris Nicklas. Shows resumidos em uma hora eram transmitidos no "Alto e Bom Som" aos sábados a noite, Astrid Fontinelli comandava vários debates no "Barraco MTV", o qual pude até participar uma vez:

E o melhor Reality Show que eu já vi na minha vida: The Real World.


Usando a frase mais clichê de todos os tempos, defino 1997 como um ano bom que não volta nunca mais. Naquela época nem me passava pela cabeça que depois de 15 anos escreveria sobre as tendências daquele ano em minha vida, já que ainda estávamos na era da fita cassete, se matando para gravar uma música no rádio e querendo morrer quando o locutor falava no meio da música, ou apagando fitas de ginástica da minha mãe para gravar os clipes que passariam na MTV. Hoje elas foram derrotadas pelo bolor e umidade do tempo, encostadas junto com os cd's, que foram substituídos pela era do MP3...





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram